gesta-mp [logotipo]

GESTA-MP

Grupo de Estudos Sociais, Tiflológicos e Associativos

 

OLHAR PELA JANELA

Rei Carlos, o primeiro e único

José Duarte

Ray foi um Rei, Rei como quem quer escrever Campeão, Melhor, Primeiro e Único.

Ray Charles e a sua Música, Música do seu povo, o negro norte-americano, foram o mais importante acontecimento musical popular no século 20.

Talvez mesmo mais importante que o papel dos Beatles embora, provavelmente, menos conhecido.

Ray criou Música que só ele cantava e tocava, criou um estilo, uma Escola. Não deixou copiadores. Seria impossível. Só deixou admiradores milhões e milhões.

Numa fusão de Música de igreja, de blues, de jazz, de improvisação, Ray inventou uma Música nova. A dele. E a de mais ninguém.

Aos primeiros compassos todos
conhecemos a voz de Ray, rouca e expressiva, dramática, musical.

Ray tocou piano, orgão e saxofone alto, mas não foi como instrumentista que colocou seu nome na História da Música deste planeta, de todas as Músicas deste planeta. Foi como vocalista da sua Música para ouvir e dançar.

Viveu entre 1930 e este 2004.

Seu grande êxito começou no final dos anos 50 e desde então o sucesso das multidões foi permanente. Um dos músicos (pianista e cantor) que mais o influenciou foi o genial Nat 'King' Cole.

A sua Música não era para ouvir com o corpo quieto! Tinha tanto balanço e swing, era tão verdadeira que conquistava sempre o corpo e alma de seus ouvintes ou espectadores.

Tinha também uma alta intuição para o espectáculo e era inesquecível vê-lo rir enquanto cantava, ver seu corpo dançar mesmo quando sentado ao piano, vê-lo
ouvir com prazer o trabalho de acompanhantes do belo grupo de mulatas cantoras que ficaram imortais - 'The Raelets'.

Era um homem muito simpático, sempre risonho e com um alto sentido de humor. Suas históricas e primeiras gravações como 'Hit The Road Jack' ou 'I've Got a Woman' pertencem ao património cultural já não só negro norte-americano, mas, sem dúvida mundial.

Minhas relações com ele foram sempre e apenas de um entre muitos e muitos espectadores. Nunca a ele consegui chegar. Li sua autobiografia - «Brother Ray»
- que recomendo e lá soube que muito gostava de pilotar aviões!

Na obra de Ray é indispensável conhecer a sua orquestra e seu respectivo e precioso trabalho, com notáveis arranjos e solistas formidáveis como Hank Crawford ou Blue Mitchell.

Ray de seu verdadeiro nome era Ray Robinson mas cedo o trocou por Charles para não se confundir com o famoso negro campeão de boxe Sugar Ray Robinson. Rei do 'rhythm and blues' seu público foi e é de todas as raças e de todo este mundo.

Privei, isso sim, com dois outros músicos também invisuais, estes de jazz. Um catalão o pianista Tete Montoliu outro negro norte-americano o soprador de tudo e mais alguma coisa (tocava vários instrumentos de sopro simultâneamente!) de seu nome Roland Kirk. Dois amigos que já cá também não estão.

Nota da Redacção:

José Duarte dispensa apresentações. Ainda assim, arriscamos a difícil tarefa de compilar aqui o essencial de uma vida inteira, ainda e sempre incompleta, ainda e sempre dedicada ao jazz e à música.

José Duarte nasceu no Bairro Alto, próximo do Conservatório, e desde cedo foi construindo o caminho que lhe permitiu tornar-se na referência e autoridade nesta matéria que hoje é. Em 1958, estreia-se na Rádio Universidade com “O jazz, esse desconhecido”. Em 1966 surgem os famosos “Cinco minutos de jazz”, na Rádio Renascença, que os emitirá até 1975. Em 1984, o espaço ressurge, agora na Rádio Comercial, e desde 1993 que, se queremos ouvir “Cinco Minutos de Jazz”, só temos que ligar a RDP Antena 1. Mas nem só na rádio espelhou José Duarte a sua paixão pelo jazz.

Tanto em jornais como em livros, conferências, na televisão ou até na Internet, José Duarte, pode dizer-se, tem sido um verdadeiro mensageiro sobretudo deste estilo musical, mas também de outras formas de expressão pela música que lhe estão associadas.

Hoje, José Duarte é Professor Auxiliar Convidado para disciplinas Jazz de opção livre na Universidade de Aveiro, é conferencista desde 1998, membro da International Association for Jazz Education e da Jazz Journalists Association, tem sido júri de vários prémios na área musical, colaborou, em 2001, na segunda edição do “New Grove Dictionary of Jazz”, e foi recentemente distinguido com a Medalha de Mérito do Ministério da Cultura.

José Duarte é ainda co-fundador e editor do Jazz Portug@l, na Internet desde 1997, em www.jazzportugal.net - site a que, desde já, aconselhamos uma visita.

[Fim do artigo | Próximo artigo: Breves | Voltar ao Índice ]

Última actualização efectuada em 31 Agosto 2004
Webmaster: webmaster@gesta.oro.